©2018  by  Dr. Alexandra Okada 

Para citar:

OKADA, A. e RODRIGUES, E. A Educação Aberta com Ciência Aberta e Escolarização aberta para a Pesquisa e Inovação Responsáveis. In: Educação Fora da Caixa: tendências internacionais e perspectivas sobre a inovação na educação. (Org.) TEXEIRA, C. S. e SOUZA, M. V. (v. 4). São Paulo: Blucher, 2018. 41-54

RRI - 5. Discussão

‚Äč

Uma das recomendações-chave da Comissão Europeia é conectar a aprendizagem formal, informal e não formal através da escolarização aberta para ampliar o interesse dos jovens por ciência e RRI, ampliando o número de profissionais e cidadãos inovadores e responsáveis.

 

1.    Aprendizagem formal: a aprendizagem ocorre de forma organizada em ambiente estruturado (por exemplo, em uma instituição de educação, treinamento e/ou no trabalho) com intenções explícitas de aprendizagem (em termos de objetivos, tempo ou recursos). A aprendizagem formal é intencional do ponto de vista do estudante. Tipicamente leva à validação e certificação.

2.    Aprendizagem não formal: aprendizagem que está incorporada em atividades planejadas não sempre designadas de forma explícita como aprendizagem formal (em termos de objetivos de aprendizagem, tempo de aprendizagem ou apoio à aprendizagem), mas que contém um dos elementos de aprendizado. A aprendizagem não-formal é intencional do ponto de vista do estudante, que pode acontecer em museus, campos / clubes de ciência etc.

3.    Aprendizagem informal: aprendizagem resultante de atividades diárias relacionadas ao trabalho, família ou lazer. Não é organizada ou estruturada em termos de objetivos, tempo ou suporte de aprendizagem. A aprendizagem informal é principalmente não intencional da perspectiva do estudante.

 

A Escolarização aberta (open schooling) referem-se às parcerias entre escolas, comunidades locais, famílias e instituições visando conectar as três abordagens de aprendizagem (formal, informal e não formal).

 

A aprendizagem informal desempenha um papel fundamental na formação do desenvolvimento do pensamento científico e da literacia científica (AAAS, 1993), pois emerge a partir do que os sujeitos estão interessados em contextos reais no mundo e permite que eles possam explorar e derivar seu próprio entendimento. Na aprendizagem formal, ou seja, no modo tradicional de ensino, esta ordem está invertida, o conhecimento vem primeiro e as aplicações interessantes do mundo real só seguem mais tarde. A aprendizagem não formal está entre estes dois cenários, o conhecimento e o contexto real estão interligados, porém de modo menos frequente.

 

O conceito de escolarização aberta emergiu muito recentemente como uma das recomendações da Comissão Europeia para promover a educação científica para a cidadania responsável através de parcerias entre todos os atores visando melhor conexão entre aprendizagem formal, informal e não formal para que os estudantes possam ampliar conhecimentos, habilidades e atitudes dentro e fora da escola. (Ryan, 2015)

 

Na escolarização aberta, as escolas em cooperação com outras partes interessadas tornam-se um agente do bem-estar comunitário conectando os estudantes com suas famílias que são parceiras na vida e nas atividades escolares e com os profissionais de empresas e sociedade civil que trazem projetos da vida real para a sala de aula. Os gestores políticos têm o papel de integrar as boas práticas e insights dos projetos nas políticas públicas, portanto, garantindo sustentabilidade e impacto além do tempo do financiamento dos projetos (Comissão Europeia, 2018).

 

O próximo passo no fim do programa Europeu Horizon2020 é iniciar projetos de escolarização aberta para promover a pesquisa e inovação responsáveis através de número maior de parceira entre os estudantes, professores, família, profissionais da área científica e tecnológica, incluindo também gestores políticos.

 

Espera-se que, a curto prazo que o desenvolvimento de parcerias entre escolas, comunidades locais, organizações da sociedade civil, universidades e indústria possa contribuir para uma sociedade com estudantes mais interessados cientificamente e com uma maior conscientização de carreiras científicas. A médio prazo, as atividades de escolarização aberta devem proporcionar aos cidadãos e aos futuros pesquisadores as ferramentas e habilidades para tomar decisões e escolhas informadas e, a longo prazo, essa ação deve contribuir para os objetivos de aumentar o número de cientistas e pesquisadores na Europa”. (Comissão Europeia 2018)