©2018  by  Dr. Alexandra Okada 

OKADA, A. e RODRIGUES, E. A Educação Aberta com Ciência Aberta e Escolarização aberta para a Pesquisa e Inovação Responsáveis. In: Educação Fora da Caixa: tendências internacionais e perspectivas sobre a inovação na educação. (Org.) TEXEIRA, C. S. e SOUZA, M. V. (v. 4). São Paulo: Blucher, 2018. 41-54

RRI - 4. Reflexão

A educação aberta com ciência aberta e escolarização aberta são essenciais para preparar indivíduos e comunidades para a participação crítico-colaborativa com conhecimento, habilidades e atitudes. Ou seja, para viabilizar a RRI, todos os representantes da sociedade precisam estar aptos a identificar as necessidades prioritárias da sociedade, compreender os avanços científicos e interagir com visão, pensamento e ação sócio ético científica (Raticliffe, 2003).

A abordagem RRI requer a discussão reflexiva das intenções metodologias, implementação, análise e resultados dos avanços científicos para que o desenvolvimento científico tecnológico possa ser alinhado com os valores, necessidades e expectativas da sociedade. 

 

Neste processo, os educadores e formadores de educadores ocupam papel central na formação dos estudantes, cidadãos e profissionais de modo global para que possam se envolver, participar e contribuir efetivamente para RRI em todas as etapas:

  • No estágio inicial: para obter conhecimento relevante relacionado à pesquisa e assim poder participar da elaboração de agendas e editais incluindo programas e políticas de financiamento a pesquisa.

  • No decorrer do processo: para estar ciente e obter informação com base em evidência atualizada, confiável e imparcial e assim poder expressar opinião em relação às possibilidades de resultados e potenciais consequências da inovação com opções abertas;

  • Na finalização: para estar ciente dos resultados e assim poder avaliar efetivamente o impacto em termos de necessidades sociais atendidas ou não, incluindo perspectivas de valores considerados no processo.

 

A abordagem RRI tem reunido diversos atores nos projetos financiados pela Comissão Europeia incluindo cidadãos, pesquisadores, instituições e governos. Estes atores sociais têm interagido através de metodologias inclusivas e participativas em todas as etapas dos processos de pesquisa e inovação e em todos os níveis de governança desde a definição da agenda até a concepção, implementação e avaliação. 

Os projetos de RRI destacam cinco grupos da sociedade: 

  1. Criadores e gestores de políticas: incluem desde formadores de opinião que influenciam políticas até os próprios agentes de políticas, diretores de centros de pesquisa e representantes de sociedades científicas, seja a nível europeu, nacional ou local. Todos aqueles que definem como a pesquisa e a inovação devem ser realizadas em sua área de influência pertencem a este grupo.

  2. Comunidade de pesquisa: são os acadêmicos pesquisadores, cientistas inovadores, gerentes de pesquisa, oficiais de assuntos públicos e de comunicação. Todas as pessoas que apoiam os diversos aspectos do sistema de Pesquisa e Inovação pertencem a este grupo. 

  3. Comunidade de educação: referem-se aos professores, formadores de docentes, coordenadores pedagógicos, desenvolvedores de cursos, estudantes, profissionais de museus de ciências e famílias. Todos os que estão envolvidos com educação em todos os níveis, desde escolas primárias até estudos de pós-graduação, pertencem a este grupo.

  4. Indústria empresarial: trata-se dos grupos de empreendedores profissionais de grande, média e micro-empresas, incluindo organizações e instituições transnacionais. Todos os que estão envolvidos em negócios cuja a base é pesquisa e a inovação fazem parte desta categoria. 

  5. Sociedade e organização civil: são os indivíduos às organizações, incluindo ONGs, comunidades, profissionais dos meios de comunicação, representantes da sociedade civil. Todos os cidadãos ocupam papel essencial para direcionar a pesquisa e a inovação para atender as necessidades da sociedade.